O QUE É?

Faz parte das síndromes de dor anorectal funcional. É frequentemente negligenciada pelo próprio e pelo médico devida à sua natureza benigna e episódica. Mas em alguns casos pode ser bastante incapacitante.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Caracteriza-se por episódios intermitentes, mas severos, de dor anal ou rectal que não se relacionam com a defecação. Habitualmente duram cerca de 15 minutos e terminam espontaneamente.

A natureza transitória desses episódios dificulta a sua compreensão – o espasmo do esfíncter anal, a compressão ou alteração do nervo pudendo podem justificar esta dor. Há casos hereditários que se associam a obstipação. O médico utiliza critérios padronizados para o diagnóstico de proctalgia fugaz baseado nesses sintomas e na informação do toque rectal:

  • Episódio de dor aguda localizada no ânus ou recto baixo
  • Pode durar de segundos a minutos
  • Sem dor nos intervalos destes episódios esporádicos
  • Sem outras alterações que justifiquem a dor anorectal

QUE TESTES SÃO USADOS PARA FAZER O DIAGNÓSTICO?

O diagnóstico de proctalgia fugaz requer a exclusão de outras causas de dor anal ou rectal. Assim além da avaliação externa e toque rectal para excluir fissuras e hemorroidas, pode ser necessário realizar outros exames, simples e indolores:

  • Rectoscopia: consiste na introdução de um endoscópio no recto para excluir cancros
  • Ecografia endoanal: consiste na inserção de uma sonda ecográfica rígida no recto para excluir abcessos e fístulas
  • Manometria anorretal: consiste na inserção de um pequeno cateter no reto para avaliar a função e a coordenação do esfíncter anal e pavimento pélvico durante a defecação.

EXISTE TRATAMENTO ESPECÍFICO?

Infelizmente o tratamento da proctalgia fugaz continua a ser um desafio! Habitualmente, estes doentes não melhoram com medicação dirigida à dor.

A ênfase deve estar na tranquilização do doente e explicação dos sintomas.