O QUE SÃO?

Os testes respiratórios de hidrogénio e/ou metano, são exames não invasivos que se baseiam na medição dos níveis de hidrogénio e/ou metano no ar expirado, produzidos exclusivamente pelas bactérias do intestino quando expostas a um açúcar que não foi adequadamente digerido e/ou absorvido.

PARA QUE SÃO UTILIZADOS?

Os testes permitem avaliar se um indivíduo apresenta digestão anormal para o açúcar testado, como a lactose (o mais frequente – intolerância à lactose) ou a frutose.

Poderá também ser útil no diagnóstico de sobre crescimento bacteriano do intestino delgado, uma situação em que um número maior que o normal de colónias bacterianas está presente no intestino delgado.

Poderão ainda ter indicação no diagnóstico da passagem rápida dos alimentos através do intestino delgado – estudo do tempo de transito oro-cecal.

Todas estas três situações podem causar dor abdominal, enfartamento e distensão abdominal, flatulência (passagem de gás em grandes quantidades) e diarreia.

COMO É REALIZADO O TESTE?

Para realizar o teste respiratório, o doente deve estar em jejum de 12 horas. No início do teste sopra lentamente para um aparelho portátil, que mede a concentração inicial (basal) de hidrogênio. Depois ingere uma pequena quantidade do açúcar a ser testado (lactose, frutose, lactose, glicose, etc., dependendo do objetivo do exame). Amostras adicionais do ar expirado são analisadas e medidos os níveis de hidrogênio e/ou metano a cada 15 – 30 minutos por três a cinco horas.