Estudos Funcionais Digestivos

Estudos Funcionais Digestivos2020-05-28T18:15:24+01:00
Biofeedback Ano-rectal2020-05-28T18:29:15+01:00

O QUE É?

A reabilitação funcional do soalho pélvico inclui modalidades terapêuticas como o biofeedback ano-rectal. O biofeedback ano-rectal consiste no treino muscular localizado em que a consciencialização muscular ano-rectal é dada ao doente por sinais visuais ou auditivos. O que é que isto significa? Nas sessões de biofeedback ano-rectal o doente aprenderá (com autonomia crescente) a ouvir ou ver num monitor as suas respostas musculares às indicações que lhe são fornecidas (contrair / relaxar por exemplo) pelo profissional de saúde. Assim sob supervisão profissional habilitada, o doente torna-se capaz de compreender e treinar a força e a sensibilidade do seu soalho pélvico.

PARA QUE SERVE?

Algumas das indicações do biofeedback anorretal incluem o tratamento da contração ano-rectal paradoxal, o tratamento da incontinência fecal, da dor retal crónica, da proctalgia fugaz, da úlcera solitária do recto.

COMO SERÁ O EXAME?

Este exame realiza-se com o doente deitado de lado, introduzindo no ânus uma sonda específica. O doente visualiza no monitor as variações de pressão no canal anal e no reto e é realizado treino específico para a sua patologia. Este treino é realizado com o doente acordado, sendo habitualmente bem tolerado. São programadas em média 4 a 8 sessões terapêuticas (habitualmente 2 sessões semanais de cerca de 20 minutos cada).

Antes do biofeedback ano-rectal, não necessita de jejum. O doente deve fazer uma limpeza rectal retrógrada (pelo ânus). É realizado toque rectal com lubrificante antes da introdução da sonda.

Manometria Ano-rectal2020-05-28T18:32:19+01:00

O QUE É?

A manometria é uma técnica de diagnóstico incluída nos estudos funcionais que permite avaliar a fisiologia ano-rectal. Na última década a manometria ano-rectal sofreu um grande desenvolvimento com a manometria de alta de resolução que tornou mais compreensível e intuitiva a fisiologia e dinâmica ano-rectal e os seus mecanismos de doença.

PARA QUE SERVE?

As principais indicações para a manometria ano-rectal são o estudo da incontinência fecal, o estudo da obstipação crónica e a avaliação de alguns casos pré e pós-cirúrgicos ano-rectais.

COMO SERÁ O EXAME?

Este exame realiza-se com o doente deitado lateralmente. É introduzida uma sonda com um número variável de sensores e com um balão acoplado – serve para avaliar a força muscular (pressão), avaliar a integridade dos circuitos nervosos (reflexos ano-rectais) e avaliar a sensibilidade ano-rectal. Serão dadas algumas indicações ao doente sobre manobras musculares (como “agora contrair” e “por favor relaxar”) a realizar ao longo do procedimento.

O exame dura em média 30 a 45 minutos e é bem tolerado, não necessitando de sedação.

Antes da manometria ano-rectal, não necessita de jejum. O doente deve fazer uma limpeza rectal retrógrada (pelo ânus). É realizado toque rectal com lubrificante antes da introdução da sonda.

Manometria Esofágica2020-05-28T20:49:15+01:00

O QUE É?

A manometria esofágica é um exame complementar de diagnóstico que permite avaliar o movimento (motilidade) do esófago, que corresponde ao órgão que liga a garganta ao estômago.

PARA QUE SERVE?

A manometria esofágica permite diagnosticar doenças da motilidade do esófago. É frequentemente pedida em pessoas com dificuldade em engolir alimentos ou líquidos (disfagia), assim como em indivíduos com suspeita de doença de refluxo gastro-esofágico. Nestes últimos, este exame é realizado juntamente com a pHmetria esofágica de 24h (cujo texto explicativo pode encontrar aqui). A manometria esofágica permite diagnosticar doenças como a acalásia.

QUE CUIDADOS DEVO TER ANTES DO EXAME?

Para a manometria esofágica deve estar em jejum pelo menos 4 horas antes do exame. Normalmente não é necessário parar nenhuma medicação previamente ao exame.

COMO SERÁ O EXAME?

A manometria esofágica consiste na introdução de uma sonda (um tubo de plástico) fina e flexível por uma das narinas. Essa sonda irá passar pela garganta, por todo o esófago, até chegar ao estômago. Esta sonda encontra-se ligada a um aparelho que permite analisar os movimentos do esófago em toda a sua extensão.

Durante o exame ser-lhe-á dado a beber água ou soro para analisar o funcionamento do esófago. Em algumas situações poder-lhe-ão pedir para engolir uma gelatina/iogurte ou mesmo uma refeição sólida (como pão).

No final do exame a sonda será retirada. O exame dura habitualmente menos de 30 minutos e depois poderá retomar a sua atividade habitual.

Não é possível realizar este exame com anestesia ou sedação uma vez que é necessária a sua colaboração durante o exame.

QUE RISCOS ESTÃO ASSOCIADOS A ESTE EXAME?

A colocação da sonda não é habitualmente dolorosa, podendo causar algum desconforto ou náusea na sua passagem pelo nariz e garganta, podendo ser utilizada uma anestesia tópica. Raramente pode ocorrer um ligeiro sangramento no nariz ou tosse irritativa, que são autolimitados. Uma vez a sonda colocada, o resto do exame é habitualmente bem tolerado.

pH Metria Esofágica de 24h (com ou sem impedância)2020-05-28T21:48:37+01:00

O QUE É?

A pHmetria esofágica de 24h é um exame complementar de diagnóstico que permite analisar o pH (grau de acidez) do refluxo do estômago para o esófago. Mais recentemente adicionou-se a este estudo a impedância, que permite analisar todos os episódios de refluxo do conteúdo do estômago para o esófago (ácido, não ácido ou até de gás).

PARA QUE SERVE?

A pHmetria esofágica de 24h permite diagnosticar a doença do refluxo gastro-esofágico e associar os seus sintomas (como a azia) a episódios de refluxo.

QUE CUIDADOS DEVO TER ANTES DO EXAME?

Para realizar a pHmetria esofágica deve estar em jejum pelo menos 4 horas antes do exame. Pode ser necessário parar medicamentos que diminuem a acidez do estômago, como os inibidores da bomba de protões (ex: omeprazol, esomeprazol, pantoprazol, rabeprazol, lansoprazol). Aconselhe-se com o seu médico para saber se necessita de parar alguma medicação.

COMO SERÁ O EXAME?

Habitualmente a pHmetria esofágica realiza-se após uma manometria esofágica (cujo texto explicativo pode encontrar aqui). A manometria esofágica permite identificar a melhor localização para colocar a sonda de pHmetria.

A pHmetria esofágica consiste na introdução de uma sonda muito fina (um tubo de plástico) por uma das narinas. Ficará com a sonda colocada durante 24 horas para permitir registar o refluxo existente nesse período e a sua acidez. A sonda é fixada por exemplo ao nariz, face ou orelha para garantir que não se move durante as 24 horas. A sonda encontra-se ligada a um pequeno aparelho portátil que regista o refluxo e no qual poderá introduzir várias informações: quando começa e termina uma refeição, quando se deita ou levanta, quando sente sintomas, entre outros. Ser-lhe-ão fornecidas informações sobre como usar o aparelho.

É importante que durante as 24h do exame faça a sua vida normal. Não poderá tomar banho durante essas 24h para não danificar o aparelho portátil. Passadas as 24 horas deve regressar ao local do exame para ser retirada a sonda.

Não é possível realizar este exame com anestesia ou sedação uma vez que é necessária a sua colaboração durante o exame.

QUE RISCOS ESTÃO ASSOCIADOS A ESTE EXAME?

A colocação da sonda de pHmetria não é habitualmente dolorosa por se tratar de uma sonda extremamente fina. No entanto, raramente, pode causar algum desconforto ou náusea na sua passagem pelo nariz e garganta, podendo ser utilizada uma anestesia local. Raramente pode ocorrer um ligeiro sangramento no nariz ou tosse irritativa, que são autolimitados. Se a sonda sair acidentalmente durante as 24 horas do exame, guarde-a bem acondicionada, aponte a hora em que ocorreu a saída e regresse ao local do exame com todo o equipamento logo que possível.

Tempo de Trânsito Cólico2020-05-28T18:21:37+01:00

O QUE É?

O teste do tempo de trânsito cólico é um método não invasivo, bem tolerado pelo doente, que permite o estudo de distúrbios funcionais do cólon através da utilização de marcadores rádio-opacos (isto é, visíveis em radiografia do abdómen).  Trata-se dum procedimento sem dor, sem necessidade de sedação, que não requer jejum, apenas contraindicado em casos de gravidez. Após a ingestão dos marcadores o doente é submetido a radiografias simples do abdómen seriadas, que dão informação sobre o tempo de percurso dos mesmos ao longo do cólon. Assim poderão ser distinguidos padrões de tempo de transito normal, lento ou de obstipação terminal.

PARA QUE É UTILIZADO?

A principal indicação para realização deste exame é a obstipação crónica marcada, uma vez excluída uma causa mecânica como tumores, estenoses (apertos) do cólon ou doenças inflamatórias intestinais. É um exame simples que permite diagnosticar e indicar um tratamento correto para estes doentes.

Teste Respiratório para o Diagnóstico da Infeção pelo Helicobacter pylori2020-05-28T18:27:54+01:00

O QUE É A HELICOBACTER PYLORI?

A Helicobacter pylori é uma bactéria que infecta o estômago humano com elevada prevalência na população mundial. Apesar da sua infeção ser assintomática na grande maioria das pessoas, reconhece-se ser responsável por inflamação da mucosa gástrica (gastrite crónica), podendo condicionar também o aparecimento de úlceras no estômago ou duodeno. Também se trata de um fator de risco para alguns tumores do estômago.

COMO É FEITO O TESTE?

Para realizar o teste o doente deve estar em jejum de pelo menos 6 horas. O teste é feito através da administração oral dum líquido com vitamina C e a seguir dum comprimido com ureia marcada com carbono 13 (isótopo natural, estável e não radioativo), sendo este último doseado no ar expirado. A ureia é degradada por uma enzima da bactéria (urease), que não existe no ser humano, levando ao aparecimento de dióxido de carbono marcado no ar expirado. A toma de antibióticos e de anti secretores ácidos podem interferir no resultado. Como tal, este teste só deve ser realizado após 4 semanas sem tratamento sistémico com antibióticos e 2 semanas depois da última dose de medicamentos anti secretores ácidos (como: omeprazol, esomeprazol, pantoprazol, lansoprazol, rabprazol). O teste é um método não invasivo, não doloroso, de fácil execução e ao contrário do método serológico (pesquisa do anticorpo no sangue), este teste negativa muito precocemente após tratamento de erradicação.

Testes Respiratórios de Hidrogénio e/ou Metano2020-05-28T18:25:12+01:00

O QUE SÃO?

Os testes respiratórios de hidrogénio e/ou metano, são exames não invasivos que se baseiam na medição dos níveis de hidrogénio e/ou metano no ar expirado, produzidos exclusivamente pelas bactérias do intestino quando expostas a um açúcar que não foi adequadamente digerido e/ou absorvido.

PARA QUE SÃO UTILIZADOS?

Os testes permitem avaliar se um indivíduo apresenta digestão anormal para o açúcar testado, como a lactose (o mais frequente – intolerância à lactose) ou a frutose.

Poderá também ser útil no diagnóstico de sobre crescimento bacteriano do intestino delgado, uma situação em que um número maior que o normal de colónias bacterianas está presente no intestino delgado.

Poderão ainda ter indicação no diagnóstico da passagem rápida dos alimentos através do intestino delgado – estudo do tempo de transito oro-cecal.

Todas estas três situações podem causar dor abdominal, enfartamento e distensão abdominal, flatulência (passagem de gás em grandes quantidades) e diarreia.

COMO É REALIZADO O TESTE?

Para realizar o teste respiratório, o doente deve estar em jejum de 12 horas. No início do teste sopra lentamente para um aparelho portátil, que mede a concentração inicial (basal) de hidrogênio. Depois ingere uma pequena quantidade do açúcar a ser testado (lactose, frutose, lactose, glicose, etc., dependendo do objetivo do exame). Amostras adicionais do ar expirado são analisadas e medidos os níveis de hidrogênio e/ou metano a cada 15 – 30 minutos por três a cinco horas.